5 cidades para curtir o frio em São Paulo

5 cidades para curtir o frio em São Paulo

Veja 5 cidades para curtir o frio em São Paulo.

Sem dúvida, cada estação traz as suas características e suas belezas a serem apreciadas.

Enquanto o verão leva os turistas para as praias, o inverno aproxima as pessoas, em busca de aconchego, gastronomia e lazer.

Nesse ínterim, o Brasil dispõe de lindas cidades para curtir o fio do inverno.

Então, separamos 5 cidades no estados de São Paulo que merecem a sua visita.

Vem saber quais são!

5 cidades para curtir o frio em São Paulo

1 – Campos do Jordão

Inicialmente, começamos pela famosa Campos de Jordão com seu lindo estilo europeu é chamado de Suíça Brasileira.

Localizada na Serra da Mantiqueira, no estado de São Paulo, Campos do Jordão é conhecida internacionalmente pela sua natureza exuberante.

Certamente, Campos do Jordão é linda o ano inteiro, mas o frio do inverno é muito apreciado pelos turistas.

A saber, no auge do inverno, ocorre no município o Festival do Inverno, tendo destaque em toda América Latina.

De fato, o inverno torna ainda mais belos os pinheiros, as cascatas e flores do local, os quais amanhecem cobertos de geada.

Há muitos atrativos na cidade, pontos turísticos e eventos, mas o inverno em Campos do Jordão também é um convite a se aconchegar em lindas pousadas e curtir o calor de uma lareira acesa.

Sem dúvida, um belo cenário para tirar muitas fotos e guardar carinhosamente na bagagem das lembranças.

2 – Santo Antônio do Pinhal

Ainda na Serra da Mantiqueira, a cidade de Santo Antônio do Pinhal é vizinha de Campos do Jordão.

Portanto, seguimos na mesma linha de belezas naturais a serem apreciadas o ano inteiro, mas que certamente dá um espetáculo em dias mais frios.

Assim, também possui muitos atrativos turísticos, porém ganham destaque os pontos de apreciação da natureza, tais como:

  • Mirante do Cruzeiro;
  • Jardim dos Pinhais Ecoparque;
  • Pico Agudo.

Sem dúvida, todos os pontos proporcionam uma vista exuberante dos eucaliptos e dos lindos jardins floridos da cidade famosa por suas inúmeras orquídeas.

Em tempo, mais um belo cenário de arrancar suspiros e muitos registros para guardar no coração e na memória dos visitantes.

3 – Cunha

Já mais para o lado leste do estado paulista, é possível encontrar a bela cidade de Cunha.

A saber, Cunha é considerada como uma das ‘estâncias climáticas’ recebendo muitos incentivos para investir no turismo regional.

Em tempo, Cunha se torna uma cidade fascinante devido a beleza de sua serra e uma vasta extensão de planaltos repletos do verde da mãe natureza.

Logo, dispõe de atrativos naturais como trilhas, cachoeiras e passeios ecológicos.

Juntamente, a cidade é conhecida pelos passeios nos ‘lavandários’, turismo agrícola com imensas áreas da planta lavanda que remetem aos campos de lavanda franceses.

Enfim, campos que ficam ainda mais lindos quando os cristais de geada fazem uma cobertura tornando a sensação mais fria.

Lindamente apreciativa no inverno paulista!

4 – São Roque

Distante apenas setenta quilômetros da capital do estado, a cidade de São Roque ganha notoriedade por apreciadores de vinho.

Para ilustrar, São Roque dispõe da Rota do Vinho, caracterizada por um passeio de 10km entre estabelecimentos que atuam com a viticultura.

Certamente, é um dos principais destinos do enoturismo, sendo assim chamada de Terra do Vinho.

Já para quem curte fazer aventuras, em São Roque é possível visitar o Ski Mountain Park.

Detalhadamente, é uma mini estação de esqui em meio às montanhas rochosas do município.

Mas além de esquiar, também é possível praticar snowboard, arvorismo, alpinismo, além passear de teleférico, entre outros atrativos.

5 – Águas de Lindóia

Nesse ínterim, há quem busque refúgio para o frio do inverno de outras formas, como por exemplo as águas termais.

Assim, a cidade de Águas de Lindóia é uma excelente alternativa, considerada a capital termal do Brasil.

Desse modo, Águas de Lindóia compõe um dos onze municípios paulistas considerados estâncias hidrominerais.

Logo, assim como Cunha, também recebe incentivos do estado para investimentos na área de turismo regional.

Para ilustrar, as águas saem do solo do município, chegam a uma temperatura perto de 28ºC, com destino ao balneário municipal.

Consequentemente, o desague formam piscinas de água mineral considerada terapêuticas, saindo através de duchas escocesas e hidromassagem.

Dentre outros atrativos ainda é possível apreciar um bom passeio a cavalo além de circuitos de jeep entre as montanhas da cidade.

Mas não para por aí, Águas de Lindóia também atrai muitos turistas aos seus antigos engenhos, os quais oferecem a tradicional cachaça artesanal.

Em resumo, o frio do inverno só deixa ainda melhor e mais convidativo a visitar a linda cidade de Águas de Lindóia.

5 cidades para curtir o frio em São Paulo

Então, agora é só montar a lista e visitar estas lindas cidades do estado de São Paulo, em qualquer estação do ano.

Sem dúvida, o inverno irá tornar a viagem ainda mais gostosa.

Destinos gastronômicos para curtir o inverno gaúcho

Destinos Gastronômicos para curtir o inverno

Destinos gastronômicos para curtir o inverno gaúcho com estilo.

Certamente, os dias mais frios são um convite para saborear pratos deliciosos.

E a serra gaúcha dispõe de lugares lindos que dispõe de restaurantes e eventos que oferecem o que há de melhor na cultura gastronômica local.

Vem conferir alguns destes destinos gastronômicos para curtir o inverno gaúcho!

Destinos gastronômicos para curtir o inverno gaúcho

Sem dúvida o inverno aguça a vontade de saborear pratos quentes, seja salgado ou doce.

E a região sul do país foi abençoada pela cultura de seus imigrantes que trouxeram na bagagem seus quitutes apetitosos.

Nesse contexto, confira algumas sugestões de pratos a serem apreciados, bem como, onde são oferecidos.

Fondue em Gramado e Canela

Fondue em Gramado e Canela

A saber, as cidades de Gramado e Canela são referências na serra gaúcha quando o cardápio é fondue.

Sem dúvida, os dois municípios já trazem um estilo típico da Suíça, país de origem desse prato delicioso.

Muito procurado no inverno para aquecer, o Fondue tipicamente é servido em muitos restaurantes de Gramado e Canela nas versões de:

  • queijo,
  • carne,
  • chocolate.

Inicialmente, a rodada de queijo oferece a iguaria em uma panela de barro, com os adicionais de pão italiano picado e batatas pequenas com casca.

Já a etapa de carne, é oferecida pelos restaurantes em duas modalidades: em uma panela para fritar as carnes ou em uma chapa de mármore para tostar.

Finalizando, a ‘sobremesa’ vem com o tradicional chocolate derretido em um pote de barro, com frutas picadas a serem mergulhadas no doce.

Alguns locais incluem waffles e marshmallows como opções no fondue de chocolate.

Café Colonial em Vila Flores

A princípio, a origem do Café Colonial teve início na mesa dos agricultores que habitaram a região sul do país.

A saber, em seu café da manhã tradicional, os colonos adicionavam outros pratos para reforçar a refeição.

O Filó na cidade de Vila Flores é um evento que oferece o tradicional Café Colonial aos visitantes.

Além disso, proporciona entretenimento aos visitantes seguindo a cultura dos imigrantes colonos.

Apesar do nome remeter a refeição matinal, esse buffet pode ser degustado em qualquer momento do dia.

Artesanalmente, são produzidos pratos variados para compor uma mesa farta.

Só para ilustrar, um café colonial típico é composto por uma variedade de:

  • Pães caseiros (tipo sovado, francês, de queijo, integral, broa, focaccia, brioche, pães doces;
  • Bolos e Tortas (cuca, bolo de milho e rosca de polvilho).

Além destes, são servidos ingredientes como manteiga, chimia, mel, queijos, presunto, salame, salsicha, linguiça fervida para acompanhar os pães.

Juntamente, bolachas e biscoitos também são ofertados.

Já para acompanhar, as bebidas típicas são leite, café, chocolate quente e até mesmo um bom vinho.

Cuca em Rolante e Santa Cruz do Sul

Tanto a cidade de Rolante quanto Santa Cruz do Sul realizam anualmente a famosa Festa das Cucas.

Na ocasião da festividade é ofertado um cardápio variado de cucas tradicionais e recheadas confeccionadas de forma artesanal.

A saber, a Cuca é um bolo da cultura alemã feito coberto por uma espécie de farofa feita com manteiga e açúcar.

Mas pode receber recheios e coberturas adicionais como frutas (banana, uva, morango, abacaxi) ou cremes (brigadeiro, coco com creme, doce de leite).

Enfim, para quem quer degustar especificamente este item que compõe o Café Colonial, basta visitar as cidades de Rolante e Santa Cruz do Sul, entre outras no sul gaúcho.

La Bela Polenta em Monte Belo do Sul

Quem nunca ouviu e se rendeu aos embalos da música típica italiana: “Quando se pianta la bela polenta, la bela polenta
Se pianta cosi, Se pianta cosi…”

Então, a polenta é mais um prato típico da culinária italiana trazida originalmente pelos imigrantes que vieram para o sul gaúcho.

Só para ilustrar, a polenta típica italiana pode ser degustada nas versões mole, frita ou na chapa, tendo como ingrediente base a farinha de milho.

Nesse ínterim, a cidade de Monte Belo do Sul realiza o famoso Polentaço, que nada mais é do que um evento onde o prato principal é a bela polenta.

A sabe, durante a festa é preparada uma polenta de aproximadamente 800 quilos a se ofertada aos participantes.

Sopa de Capeletti em Garibaldi

A Sopa de Capeletti é uma iguaria trazida para o Rio Grande do Sul através dos imigrantes italianos.

A saber, o Capeletti recebeu este nome devido ao formato de chapéu, que em italiano significa “capello” .

Patrimônio gastronômico da Itália, o Capeletti é uma massa recheada com carne ou frango, cozido com um saldo chamado de brodo.

Dependendo da região, o capeletti também pode ser chamado de Agnolini, porém há indícios de que os agnolinis seriam confeccionados em um formato mais fechado se comparado ao capelleti.

Atualmente há muitos restaurantes que oferecem a Sopa de Capeletti como prato de entrada, mas a cidade de Garibaldi é referência na oferta desta deliciosa sopa.

Destinos gastronômicos para curtir o inverno gaúcho

Hum, deu vontade de comer alguma destas comidas deliciosas?

Ou melhor, faz uma lista para conhecer as cidades gaúchas citadas neste post e saborear estes e outros pratos deliciosos no inverno gaúcho.

Conheça a cidade de Foz do Iguaçu no Paraná

Conheça Foz do iguaçu no Paraná

Conheça a cidade de Foz do Iguaçu no Paraná e encante-se pelas Cataratas do Iguaçu.

Só para ilustrar, a cidade de Foz do Iguaçu fica localizada no extremo oeste do estado paranaense.

Com uma extensão de 617,701 km², a localidade é composta por cerca de 260 mil habitantes.

Curiosamente, Iguaçu significa “água grande” em tupi-guarani e quem nasce em Foz do Iguaçu é chamado de iguaçuense.

Entre tantos atrativos, o município recebe milhares de turistas com destino as Cataratas do Iguaçu.

Que saber mais sobre a cidade e seus atrativos?

Acompanhe o post!

Conheça a cidade de Foz do Iguaçu no Paraná

Primordialmente, a primeira evidência sobre o território que abrange Foz do Iguaçu teria sido datada no ano de 1542.

A princípio, o espanhol Álvar Nuñez Cabeza de Vaca teria desbravado as Cataratas neste período juntamente com índios Cainganges.

Mas somente em 1881, Foz do Iguaçu teria recebido seus primeiros habitantes brasileiros e espanhóis com intuito de explorar a produção de erva-mate.

Inicialmente, foi fundada uma colônia militar na fronteira e no início do século XX já havia no vilarejo:

  • hospedarias,
  • mercearias,
  • quartel militar,
  • estação telegráfica,
  • engenhos de açúcar e cachaça.

Já no ano de 1910, a Colônia Militar passou a se chamada de “Vila Iguassu”, especificamente distrito do município de Guarapuava.

Todavia, quatro anos depois foi criado o Município de Vila Iguaçu, passando a denominar-se “Foz do Iguaçu”, em 1918.

De fato, alguns acontecimentos contribuíram para o desenvolvimento da cidade:

  • Inauguração da Ponte Internacional da Amizade (Brasil – Paraguai);
  • Inauguração da BR-277, ligando Foz do Iguaçu à Curitiba e ao litoral;
  • Construção da Hidrelétrica de Itaipu (Brasil – Paraguai).

Parque Nacional do Iguaçu

A saber, a área onde hoje situa-se o Parque Nacional pertencia antigamente ao uruguaio Jesus Val.

Porém, o “Pai da Aviação” Santos Dumont passou pelo local no ano de 1916 e, intrigado pela beleza natural insistiu juntamente as autoridades do estado que as terras fossem desapropriadas tornadas patrimônio público.

Sendo assim, no ano de 1939 foi criado o Parque Nacional do Iguaçu.

Atualmente, o Parque Nacional do Iguaçu é considerado a maior área de proteção de mata atlântica brasileira.

Cataratas do Iguaçu

Cataratas do Iguaçu

As Cataratas do Iguaçu nada mais é do que um conjunto com cerca de 275 quedas de água no rio Iguaçu.

Só para ilustrar, as cataratas ficam localizadas entre o Parque Nacional do Iguaçu, Paraná, no Brasil, e o Parque Nacional Iguazú em Misiones, na Argentina.

Historicamente, os dois parques foram designados Patrimônio Mundial da UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Todo esse paraíso se estende em uma área total de 250 mil hectares de floresta subtropical.

Para poder apreciar ainda mais a beleza das cataratas, o local dispõe de espaços para transitar entre as quedas d’água.

Chamado de Espaço Tarobá, o local refere-se a um mirante de dois andares que proporcionam uma vista quase total das Cataratas.

Juntamente, há dois elevadores panorâmicos que viabilizam o acesso do mirante às passarelas.

Garganta do Diabo

A princípio, a Garganta do Diabo é um ‘apelido’ atribuído conforme uma lenda a uma das quedas das Cataratas do Iguaçu.

Para ilustrar, a Garganta do Diabo deságua em formato de “U” com 150 metros de largura e 80 metros de altura.

Com certeza esse volume de água, bem como, a velocidade da queda propiciam um lindo espetáculo da natureza.

Realmente, um cenário que traz muitos suspiros ao ser apreciado.

Cataratas do Iguaçu – uma das Sete Maravilhas da Natureza

Oficialmente, em 2012 as Cataratas do Iguaçu receberam o título de uma das 7 Maravilhas da Natureza.

O concurso do “New 7 Wonders” reuniu cerca de 440 belezas naturais espalhadas pelo mundo para votação de populares e especialistas.

Sem dúvida, o prêmio ficou dividindo entre o o Brasil e a Argentina e a placa de bronze fica exposta no Parque Nacional do Iguaçu.

Visite a cidade de Foz do Iguaçu no Paraná

Então, curtiu sabe mais saber mais sobre a cidade de Foz do Iguaçu?

Põe na lista de viagens e arruma as malas rumo a Foz do iguaçu no Paraná, para apreciar as belezas do município.

Conheça a cidade de São Joaquim em Santa Catarina

Conheça a cidade de São Joaquim em Santa Catarina

Conheça a cidade de São Joaquim em Santa Catarina, uma das cidades mais frias do país.

Sem dúvida, o município já é lindo por natureza, mas no inverno fica ainda mais belo.

Vem saber mais sobre São Joaquim e suas belezas.

História da cidade de São Joaquim em Santa Catarina

A princípio, os primeiros registros de habitantes nas terras de São Joaquim teriam se dado no ano de 1750.

A partir desta data, fazendas e sesmarias começaram a compor o território de São Joaquim.

De antemão, o trabalho rural trouxe movimentos consideráveis a economia local.

Posteriormente, surgiu a necessidade da abertura de uma estrada ligando o povoado a Lages e Laguna, trazendo ainda mais progresso.

Na ocasião, o pioneiro fundou a famosa Freguesia de São Joaquim da Costa da Serra do Município de Lages.

A iniciativa desta grande obra foi atribuída a Manoel Joaquim Pinto, considerado fundador da cidade.

Em 1871, foi criado o Distrito chamado São Joaquim da Costa da Serra, mas em 1886 o local foi elevado a categoria de Vila, desmembrando-se de Lages.

Mas somente no ano de 1924 que o município recebeu foros de cidade.

Já em, 1956, o município passou a ser formado por três distritos:

  • São Joaquim (sede),
  • Bom Jardim da Serra,
  • Urupema.

Uma das cidades mais frias do país

A saber, São Joaquim fica localizado na Mesorregião Serrana e Microrregião de Campos de Lages.

Só para ilustrar, o município fica situado na parte sul do estado de Santa Catarina, em uma região bem montanhosa.

Tal cenário, em altitudes superiores a 1.000 m, contribuem para as baixas temperaturas, sendo que a média anual fica aproximadamente em torno dos 10ºC.

De fato, no verão, a cidade até consegue registrar temperaturas médias entre 18 a 20 graus, todavia no outono e inverno os números caem consideravelmente.

A princípio, até o ano de 1988, São Joaquim era considerada a cidade mais fria do Brasil.

Todavia, após emanciparem-se, Urupema e Bom Jardim da Serra assumiram o posto.

Neve em São Joaquim

Para que ocorra neve é necessário a presença de nuvens de chuva, além da temperatura da atmosfera e do solo estar abaixo de zero.

As temperaturas negativas já contribuem para o surgimento de geadas na região de São Joaquim.

Mas os outros fatores também foram propícios a ocorrência do fenômeno da tão sonhada neve, lembrando as regiões da Europa.

Logo, São Joaquim apresenta belos cenários com cristais de geadas no alto do inverno, tornando-se grande atrativo para os turistas.

Turismo em São Joaquim

A saber, São Joaquim abrange uma área com cerca de 1.886 km², onde vivem em média 26 mil habitantes.

Sem dúvida, o maior atrativo do município fica em torno das temperaturas baixas, sendo o inverno a alta temporada para o turismo.

Nesta época, a geada se apresenta constantemente transformam a cidade num lindo cenário propício para registrar muitas fotos.

Certamente, a esperança de todo o visitante é a ocorrência de neve, todavia, é considerado um acontecimento raro.

Pontos Turísticos

De fato, São Joaquim dispõe de cenários exuberantes em meio a natureza, além parques e construções antigas para visitação.

Veja alguns algumas sugestões a serem visitadas:

Mirante das Araucárias

Sem dúvida, o Mirante das Araucárias é um daqueles lugares onde o visitante suspira apreciando o beleza da natureza.

Localizado às margens da SC-114, logo na entrada da cidade, o mirante possui uma plataforma posicionada à 50 metros de altura.

Assim, é possível ter uma visão panorâmica da mata de araucárias.

Belvedere (Mirante da cidade)

Semelhantemente, o Belvedere também é um mirante, porém a visão panorâmica deste se concentra na cidade em si de São Joaquim.

Só para ilustrar, para chegar até o pico do mirante é necessário percorrer uma escadaria que fica localizada na rua ajor Jacinto Goulart.

Monumento Manoel Joaquim Pinto

Já para quem deseja mergulhar na história da cidade, o Monumento Manoel Joaquim Pinto é uma obra encantadora.

A saber, o monumento é um conjunto de várias esculturas feitas em pedra e madeira construídos numa área externa ao lado da Prefeitura.

Em síntese, foi idealizada com intuito de transcender a história que culminou na fundação da cidade.

Praça João Ribeiro

A praça João Ribeiro reserva além de lindas esculturas, um lindo cenário com pequeno lago com chafariz e belos jardins floridos.

O local também apresenta o famoso relógio termômetro o qual registra as baixas temperaturas do inverno de São Joaquim.

Além disso, quando a cidade fica coberta pela geada, a praça se torna um legítimo bosque de gelo, exibindo gotas de cristais de gelo em suas árvores.

Igreja Matriz

Lindamente construída em pedra basalto, a Paróquia São Joaquim foi inaugurada no ano de 1935.

Visivelmente na área externa o templo exibe lindas esculturas, além do rústico altar em madeira em seu interior.

Enfim, um lindo local a ser contemplado, logo em frente à Praça João Ribeiro.

Conheça a cidade de São Joaquim em Santa Catarina

Então, partiu conhecer São Joaquim e aproveitar a estação que deixa a cidade ainda mais linda?

Ainda em tempo, quem vai a São Joaquim também encontra gastronomia local, além vinícolas para visitação e degustação de um bom vinho.

Enfim, visite São Joaquim e apaixone-se!

5 motivos para passear em Morro Reuter no Rio Grande do Sul

5 motivos para passear em Morro Reuter no RS

5 motivos para passear em Morro Reuter no Rio Grande do Sul

A saber, município gaúcho possui uma área aproximada de 87,6 km².

Os habitantes que nascem em Morro Reuter se chamam morroreutenses.

Localizada em torno da Serra Gaúcha, a cidade possui inúmeras belezas a serem apreciadas durante um passeio.

Saiba mais detalhes sobre a pequena, mas linda Morro Reuter.

História de Morro Reuter

Assim como outras cidades gaúchas, Morro Reuter teria sido habitada inicialmente por povos indígenas.

A princípio, a história de Morro Reuter teria iniciado em meados do ano 1829, chamada de Reutersberg em alemão.

A saber, o ano teve como marco a construção da casa do primeiro morador.

Já em 1872 teria sido montada a primeira Igreja evangélica no local, bem como, a primeira escola.

Há quem diga que o nome do município seria uma homenagem a família Reuter.

Pois teriam fundado uma estalagem, tornando-se referência para parada de tropeiros com suas mercadorias.

Antigamente, o território de Morro Reuter teria pertencido ao município de Dois Irmãos e São Leopoldo.

Todavia, foi emancipado recentemente no ano de 1992.

Localização

De antemão, o município de Morro Reuter pertence a Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre, bem como à Microrregião de Gramado-Canela.

A saber, a cidade de Morro Reuter também integra a famosa Rota Romântica, um trecho composto por lindas paisagens de cidades gaúchas.

Para que toma como ponto de referência a capital Porto Alegre, Morro Reuter fica distante cerca de 65 quilômetros.

Só para ilustrar, a localidade possui limites com as seguintes cidades:

  • Santa Maria do Herval (NE);
  • Sapiranga (SE);
  • Dois Irmão (S);
  • Ivoti (O);
  • Presidente Lucena (O);
  • Picada Café (N).

5 motivos para passear em Morro Reuter no Rio Grande do Sul

Surpreendentemente, a pequena Morro Reuter reserva muitos atrativos para os visitantes que passeio pelo local.

Além de belas paisagens naturais, Morro Reuter também reserva uma bagagem histórica com construções antigas.

Veja 5 locais interessantes para motivar a sua ída a Morro Reuter:

Belvedere

Para quem está chegando à cidade, logo ao passar o trevo de acesso, irá encontrar o mirante Belvedere.

Aproximadamente no KM 218, entre o limite de Morro Reuter e Dois Irmãos, o Belvedere proporciona uma vista privilegiada da região do Vale do Sinos.

Sem dúvida, um lindo lugar para apreciar a natureza e registrar muitas fotos.

Morro da Embratel (Felskopf)

Logo depois da entrada na cidade, cerca de 2 quilômetros, há outro mirante que exige uma parada.

Localizado “Morro da Embratel”, ficou conhecido desta forma, porém atualmente foi identificado como Morro Felskopf.

Curiosamente, o novo nome teria sido dado ao local com intuito de dissociar o ponto a marca da companhia citada.

Só para ilustrar, o mirante fica elevado a cerca de 700 metros acima do nível do mar.

Já vista panorâmica permite vislumbrar lindas paisagens da região.

Obelisco de Livros

O monumento Obelisco de Livros está localizado na entrada da cidade, especificamente na BR116, no Km 216.

Definitivamente é considerado o cartão postal de Morro Reuter, cercado uma pequena praça decorada lindamente com flores..

De antemão, a obra possui 10 metros de altura, representando literalmente uma pilha de 72 livros.

Curiosamente, tal fato teria como motivo simbolizar o título da cidade: 2º município com maior índice de alfabetização do país.

Praça José Paulo Sabá Meyrer

Mais outro ponto de para obrigatória é a praça José Paulo Sabá Meyer.

Para ilustrar, fica no centro da cidade, o ponto era núcleo da antiga vila fundada por imigrantes.

Lindamente jardinada, a praça, bem como, as ruas ao redor propiciam um passeio e descanso em meio a natureza.

Para quem tiver interesse, a Praça José Paulo Sabá Meyrer fica na rua independência esquina com Rua Quinze de Novembro.

Armazém Kieling

Já o Armazém Kieling traz mais do que simplesmente um local a ser apreciado.

A saber, o prédio foi construído há mais de 120 anos, com antigo estilo Enxaimel.

Atualmente, o local ainda é caracterizado como estabelecimento comercial da colônia alemã como foi instituído no início de sua construção.

A saber, o local serve de ponto de encontro para a comunidade local.

Em detalhe, os moradores costumam ouvir músicas típicas, além de praticar jogos típicos da cultura alemã.

Motivos para visitar Morro Reuter no Rio Grande do Sul

Certamente, Morro Reuter tem outros muitos atrativos para os visitantes.

Por exemplo, as Igrejas São Pedro e São Paulo e São José do Herval também são lindos locais a serem apreciados, além da Igreja Matriz Imaculada Conceição.

Ainda em tempo, a cidade dispõe de restaurantes e paradouros que oferecem a gastronomia típica local, como por exemplo, um gostoso Café Colonial.

Enfim, o que não falta são atrativos para passear em Morro Reuter.

Turismo Religioso no Santuário de Aparecida

Turismo Religioso no Santuário de Aparecida

Então, que tal fazer turismo Religioso no Santuário de Aparecida?

Catedral Basílica Santuário Nacional de Nossa Senhora da Conceição Aparecida é um grandioso templo da religião católica.

Surpreendentemente, o Santuário de Aparecida é considerado o maior Santuário no mundo dedicado a Maria.

A princípio, a obra abrange cerca de 143 mil m² de área construída em toda a extensão do Santuário.

Localização

A saber, o Santuário de Aparecida fica localizado no município de Aparecida, especificamente no interior do estado de São Paulo.

Só para ilustrar, a cidade de Aparecida fica situada na Mesorregião do Vale do Paraíba Paulista e Microrregião de Guaratinguetá.

De antemão, uma das principais vias de acesso para o Santuário é a famosa Via Dutra.

Para quem não conhece, trata-se da BR-116, denominada neste trecho como Rodovia Presidente Dutra.

Em tempo, para quem vem de São Paulo, a distância média refere-se à 180 quilômetros, dependendo do ponto de partida.

Já para os visitantes oriundos do Rio de Janeiro, a distância se dá na medida a cerca de 260 quilômetros, variando de acordo com o local de saída.

História

Primordialmente, a história do Santuário de Aparecida começou ainda quando da aparição da imagem da padroeira.

A princípio, no ano de 1717, alguns pescadores encontraram a imagem de uma santa no Rio Paraíba.

Antes de captarem a imagem, os tais pescadores não estavam conseguindo apanhar peixe algum.

Todavia, após este fato, a pesca de peixe alcançou tamanha quantidade a ponto dos pescadores não conseguirem carregar a quantidade total.

Portanto, a este fato foi atribuída devoção a referida santa.

Por esse vale corre um rio de nome Paraíba, palco do aparecimento da devoção que une todo o Brasil.

Visitação de Devotos

Inicialmente foi construído um oratório no Porto de Itaguaçu para dispor a imagem da santa.

Após, foi erguida uma capela no alto do morro dos Coqueiros, no ano de 1745.

Já em 1834 iniciou-se a construção da obra que hoje é chamada de Basílica Velha, sendo inaugurada oficialmente somente no ano de 1888.

Nesse contexto, a devoção à santa aumentava cada vez, abrindo novamente a necessidade de construir um espaço maior para os fiéis.

Sendo assim, em 1955 iniciaram-se as obras da Nova Basílica, onde em 1980 foi consagrada como o maior santuário mariano do mundo, pelo Papa João Paulo II.

Turismo Religioso no Santuário de Aparecida

Atualmente, o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida recebe milhares de visitantes diariamente.

De fato, o Santuário dispõe de muitos atrativos para fiéis e visitantes que chegam à cidade de Aparecida.

No local, os visitantes, muitos chamados de ‘romeiros’ podem participar de atividades como:

  • missas,
  • oração do terço,
  • consagrações à santa padroeira.

Além disso, os turistas ficam livres para visitar o espaço da Basílica.

Dentre os principais pontos mais visitados destacam-se:

Nicho de Nossa Senhora Aparecida

O Nicho de Nossa Senhora Aparecida é um espaço que abriga a imagem original da santa.

Capelas

Simultaneamente, o Santuário dispõe de grandiosas capelas para visitação:

  • Capela do Santíssimo;
  • São José;
  • Capela do Batismo;
  • Ressurreição.

Ao passo que as duas primeiras localizam-se no interior do Santuário e as duas últimas ficam na área externa.

Além destas, ganha destaque a Capela das Velas também na área externa, onde o visitante pode acender a sua própria vela.

Sala das Promessas

Já a Sala das Promessas, fica situada no subsolo do Santuário.

Como o próprio nome diz, é um espaço destinado a concretização de uma promessa, em agradecimento por algo alcançado.

Então, no local, fiéis depositam objetos, fotos e cartazes testemunhando uma conquista baseada na fé de que houve a intercessão da santa padroeira.

Monumento em Honra a Nossa Senhora Aparecida

Imediatamente ao ingressar nos Jardins do Santuário, é possível apreciar o Monumento em honra a padroeira.

A saber, a obra trata-se de uma réplica, ao monumento construído no Vaticano em homenagem a Nossa Senhora Aparecida.

Memorial da Devoção

O Memorial da Devoção abriga atrativos de cultura e lazer aos visitantes, através dos espaços:

  • Cine Padroeira;
  • Museu de Cera
  • Cantinho dos Devotos Mirins.

Outros Atrativos para fazer Turismo Religioso no Santuário de Aparecida

Ainda em tempo, o Santuário dispõe de muitos outros atrativos.

Por exemplo, no Mirante localizado no 16º andar, é possível apreciar uma visão do Rio Paraíba e da Rodovia Presidente Dutra.

Semelhantemente, outro local esplêndido é a Cúpula localizada sobre o Altar Central.

Nesse ínterim, o Santuário disponibiliza uma equipe que guia o passeio até a Cúpula em determinados horários mediante aquisição de ingressos.

Aliás, esta atividade é chamada de Circuito de Visitação à Cúpula, podendo acrescentar a ida ao Mirante e ao Museu.

Maiores informações podem ser adquiridas no site do próprio santuário: https://www.a12.com/santuario

Venha fazer Turismo Religioso no Santuário de Aparecida

Enfim, o turismo religioso em Aparecida oferece aos visitantes uma gama de atividades e passeios.

O espaço é um convite para viver a fé e apreciar a cultura de belíssimas obras de arte.

Venha sentir as emoções que o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida pode lhe proporcionar!

Venha fazer um tour pela cidade de Londrina no Paraná

Venha fazer um tour pela cidade de Londrina no Paraná

Então, a Rodosoft convida para que você leitor venha fazer um tour pela cidade de Londrina no Paraná conosco.

Subindo pelo sul do país, nosso tour chega ao estado do Paraná, no município de Londrina.

De antemão, a cidade é conhecida como a Capital do Café.

Hummm… Então, partiu fazer um tour pra conhecer um pouco mais sobre Londrina?

Venha fazer um tour pela cidade de Londrina no Paraná

Só para ilustrar, Londrina possui uma vasto território que compreende cerca de 1.653,3 km² de extensão.

Sem dúvida, toda essa área abriga um grande número de habitantes, às voltas de 506.701 habitantes.

A saber, a quem obtém a alegria de nascer no município, é agraciado pelo rótulo de londrinense.

Localização

Detalhadamente, a cidade de Londrina está situada no Norte Central Paranaense.

Especificamente, o município também é identificado como parte da Microrregião da própria Londrina, bem como, da Região Metropolitana de Londrina.

Para quem tem como referência a capital do estado paranaense, Curitiba, basta percorrer cerca de 369 quilômetros para visitar os londrinenses.

Conforme localização, Londrina possui os seguintes município limítrofes:

  • Marilândia do Sul,
  • Apucarana,
  • Arapongas,
  • Assaí,
  • Cambé,
  • Ibiporã,
  • São Jerônimo da Serra,
  • Sertanópolis,
  • Tamarana.

Entre as principais rodovias que passam por Londrina estão a BR-369, PR-445, PR-538, PR-323, a PR-545 e a PR-218.

História da cidade de Londrina

Semelhante a outras terras brasileiras, Londrina também foi habitada inicialmente pelos índios, especificamente da tribo caingangues.

Mas particularmente, no ano de 1920 começou a surgir os primeiros fazendeiros na região.

Posteriormente a este período, o território começou a ser povoado por imigrantes ingleses.

Aliás, tais imigrantes teriam encontrado semelhança no clima local, comparando-se a cidade de Londres e, por isso, teriam concedido o nome de Londrina.

Surpreendentemente, nas décadas de 1950 e 1960 alcançou um fantástico patamar na produção de café.

A saber, tal conquista levou a cidade a fama de ‘Capital Mundial do Café‘, uma vez que a exportação do produto local dominava cerca de 50% da produção mundial.

Além disso, os fazendeiros da região também receberam o rótulo de ‘Barões do Café’, e os grãos gerados em suas fazendas foram apelidados de ‘Ouro Verde’.

A princípio, há evidências de que a emancipação de Londrina teria ocorrido ainda no ano de 1914.

Infra-estrutura de Londrina no Paraná

A saber, Londrina se destaca por possuir uma excelente infraestrutura.

Por exemplo, o Aeroporto da cidade foi construído ainda na época do pós-guerra.

O auge da produção de café foi a base para atender a necessidade de movimentação aérea do local para outras regiões brasileiras.

Semelhantemente, o Terminal Rodoviário de Londrina José Garcia Villar também recebeu muitos investimentos para atender o deslocamento de passageiros.

Só para ilustrar, a construção do projeto arquitetônico foi realizada por Osca Niemeyer, portanto trata-se de uma obra exuberante em solo londrinense.

Tour pelos Pontos Turísticos de Londrina

Sem dúvida, fazer um tour nos pontos turísticos de Londrina é enriquecedor, cheio de paisagens a serem apreciadas e histórias a serem inclusas na bagagem.

Cultural

Inicialmente, pode-se começar o tour em Londrina pelo Museu Padre Carlos Weiss.

Historicamente, o museu teria começado por iniciativa de alguns professores e estudantes no ano de 1970, contudo em 1974 tornou-se oficialmente UEL – Órgão Suplementar da Universidade Estadual de Londrina.

Posteriormente, o acervo do Museu passou a ocupar o prédio da antiga Estação Ferroviária de Londrina.

Ainda no contexto cultural da cidade, é possível fazer um passeio chamado de ‘Rota do Café’.

A princípio, o tour é composto por um passeio entre 16 municípios, percorrendo cerca de 200 quilômetros para participar de  34 atividades sobre a história do café londrino.

Natureza

Certamente, com solo tão produtivo, Londrina é cenário de belas paisagens naturais.

Inegavelmente, um passeio incrível para apreciar a natureza é fazer um tour pelo Jardim Botânico de Londrina.

A saber, o local é uma das unidades de pesquisa e conservação de espécies nativas e exóticas mais importantes no Paraná.

O local dispõe de atividades, entre elas uma trilha pela mata nativa local.

Semelhantemente, outra beleza natural é o Lago Igapó, o qual se trata de um conjunto de lagos considerados o cartão postal londrinense.

Ainda é preciso acrescentar na lista, um passeio para conhecer o Salto do Apucaraninha.

Antes de mais nada, o local possui um espetáculo de cachoeira que despenca suas águas por 116 metros de altura.

Afinal, só nestas três sugestões de passeios, já temos um incrível tour pela natureza exótica das terras de Londrina.

Tá esperando o que? Venha fazer um tour pela cidade de Londrina no Paraná

Enfim, agenda logo uma viagem para Londrina e aprecie um pouco de história e lazer turístico.

Certamente, a cidade também dispõe de belos locais com o delicioso café produzido na região.

Hum…

Conheça a cidade de Chapecó em Santa Catarina

Conheça a cidade de Chapecó em Santa Catarina

E hoje é a vez de um post super especial para que você conheça a cidade de Chapecó em Santa Catarina.

A saber, Chapecó é um município localizado no estado de Santa Catarina, especificamente na região Sul do Brasil.

De antemão, a cidade leva o título de Capital da Agroindústria Brasileira.

Vem saber mais sobre esta linda e desenvolvida cidade catarinense.

Conheça a cidade de Chapecó em Santa Catarina

Chapecó é uma das tantas cidades que formam o estado catarinense.

De antemão, o município possui uma área de 626,060 km², abrigando mais de 220 mil habitantes.

Curiosamente, quem nasce nasce na localidade é chamado de chapecoense, nome este que deu origem ao time de futebol da cidade.

Localização

A saber, a cidade de Chapecó fica localizada na Mesorregião do Oeste Catarinense e Microrregião de Chapecó.

Só para ilustrar, Chapecó fica distante cerca de 550 Km de Florianópolis, capital de Santa Catarina.

Em detalhes, é possível chegar até Chapecó pelas rodovias BR-282, BR-480 e SC-283, dependendo do ponto de partida.

De antemão, Chapecó faz limite com o município de Cordilheira Alta compreendendo na direção norte e leste.

Além de ser vizinha de Guatambú no lado oeste e sul, além Paial e Coronel Freitas na direção no sudeste e noroeste, respectivamente.

A cidade conta com uma excelente rodoviária que dispõe de linhas para várias cidades catarinenses, bem como a outras  cidades brasileiras.

História

Assim como outras cidades, Chapecó também era habitada pelo povo indígena nos primórdios, os quais chamavam a área de Xapecó.

Mas em meados de 1838, alguns tropeiros e imigrantes começaram a transitar pelas terras que hoje pertencem a Chapecó.

Há evidências de que o lado oeste de Santa Catarina foi escolhido para sediar a Colônia Militar de Chapecó, no ano de 1859.

Porém, somente em 1882 a colônia começou a tomar forma.

O ano de 1916 foi relevante para o território chapecoense, pois ocorreu o grande marco de Acordo de Limites.

Tal marco se deu entre o Paraná e Santa Catarina, delimitando que Chapecó ficaria nas terras catarinenses.

Contudo, só no próximo ano, a cidade conquistou a sua emancipação sendo reconhecida como Chapecó com CH e não mais com a letra X como os índios a intitularam.

Destaque na área Agroindustrial

Aos poucos o território de Chapecó começou a ser povoado cada vez mais, a princípio por gaúchos e descendentes de alemães e italianos.

Logo, devido às características positivas que seu solo oferecia, a cidade foi se desenvolvendo cada vez mais inserindo-se em um amplo processo de expansão econômica.

De forma rápida e constante, o agronegócio ampliou o mercado de trabalho e transformou-se na base da economia da cidade.

Fama internacional

O município ganhou fama internacional por abrigar o maior pólo agroindustrial latino-americano.

De antemão, o foco desse sucesso teria se dado por Chapecó estar inserido no sistema de produção integrada do segmentos de carnes do país.

Assim sendo, Chapecó se tornou o maior centro mundial em produção de proteína animal, sendo reconhecida como a Capital da Agroindústria Brasileira.

Nesse ínterim, a cidade promove inúmeras feiras e exposições no cenário agroindustrial.

Todavia, também ocorrem eventos turísticos no município.

Assim sendo um convite também para os visitantes conhecerem locais de lazer e entretenimento que a localidade dispõe.

Turismo

Cultural

Assim também se enquadra a bela cidade de Chapecó, no rol de cidades turísticas a serem visitadas.

Na área de cultura, ganha destaque obras como o Monumento Desbravador, escultura esta que contempla um homem com vestimentas da tradição gaúcha.

Sem dúvida, a obra é considerada um cartão postal, além de ser apontado como ponto de referência.

Nas proximidades do monumento é possível visitar o Museu Paulo de Siqueira.

Mas a cidade também reserva um rol de cultura nos espaços:

  • Museu Tropeiro Velho;
  • Museu Municipal Antônio Selistre de Campos;
  • Museu de História e Arte de Chapecó.

Em tempo, para incrementar ainda mais o passeio cultural em Chapecó, a Catedral Santo Antônio guarda uma bagagem histórica do ano de 1956.

Natureza

De fato, o município de Chapecó possui muitas riquezas naturais para serem visitadas e apreciadas por moradores e turistas.

A primeira vista, as águas do Rio Uruguai compreendem um belo cenário, além da Cachoeira Alto Capinzal, a cascata e gruta da Sede Trentin e a Floresta Nacional de Chapecó/Gleba.

Sob o mesmo ponto de vista, a localidade apresenta um misto de cultura em aspecto de meio ambiente nas grutas e sítios arqueológicos que guardam mistérios e histórias antigas.

Eventos Culturais

Além dos eventos relacionados ao contexto de agronegócio, a cidade chapecoense sedia outras festividades religiosas de entretenimento.

Por exemplo a Romaria de Frei Bruno é muita conhecida levando milhares de visitantes ao município.

Já a Arena Condá também é um local que reúne milhares de torcedores para assistir jogos do clube Associação Chapecoense de Futebol.

Visite e conheça a cidade de Chapecó em Santa Catarina

Então, cheia de atrativos, Chapecó em si já é um eterno convite para passear e quem até morar no município.

Porque além apresentar características de um povo hospitaleiro a visitantes, Chapecó também é conhecida por receber bem novos moradores para compor a população local.

Partiu Chapecó!

5 motivos para conhecer a cidade de Ametista do Sul no RS

5 motivos para conhecer a cidade de Ametista do Sul no RS

Neste post te daremos 5 motivos para conhecer a cidade de Ametista do Sul no RS.

A saber, Ametista do Sul é um município localizado no sul do país, no estado do Rio Grande do Sul.

Considerada como uma cidade pequena, com uma extensão de km², a localidade possui pouco mais de sete mil habitantes, os quais ao nascer por lá se chamam ametistenses.

Então, venha venha saber mais sobre os 5 motivos para se encantar com Ametista do Sul.

Localização

A saber, Ametista do Sul pertence a Mesorregião do Noroeste Rio-grandense e a Microrregião de Frederico Westphalen.

De antemão, para chegar até Ametista do Sul é preciso acessar a RS 591, estrada esta que corta a localidade em dois extremos.

Para quem parte da capital gaúcha, o trajeto se estende por cerca de 400 quilômetros.

O roteiro de Porto Alegre a Ametista do Sul poderá se dar através da BR-386 ou pela RS-324.

Ambos trajetos apresentam distâncias similares.

Atualmente Ametista do Sul faz limite com os municípios de:

  • Iraí ao norte;
  • Rodeio Bonito ao lado leste;
  • Cristal do Sul entre sul e oeste.

Contudo, a cidade de Alpestre também fica próxima a Ametista do Sul, na direção nordeste.

História

Inicialmente, o território onde hoje é apontado como Ametista do Sul era habitada por índios caingangues.

Todavia, a partir do século XX a área começou a ser povoada por habitantes que vieram de Palmeira das Missões e Santa Bárbara.

Posteriormente, algumas pessoas de Caxias do Sul também começaram a habitar Ametista.

Em 1945, alguns imigrantes construíram um capital com a imagem de São Gabriel, dando a mesma denominação a localidade.

Contudo, na mesma época foram encontradas algumas pedras semipreciosas na região, principalmente de pedra ametista.

Assim, o local passou a ser chamado pelo nome da pedra principal encontrada nessas terras.

Desenvolvimento de Ametista do Sul

Aos poucos, Ametista começou a receber mais pessoas para fins de exploração, surgindo a necessidade do desenvolvimento urbano do local.

Mas somente no ano de 1992, o governador Alceu Collares concedeu a emancipação do município.

Na ocasião, a mesma ainda era identificada como São Gabriel, todavia, como já existia uma cidade com este nome, foi adotado ‘Ametista do Sul’.

5 motivos para conhecer a cidade de Ametista do Sul no RS

Sem dúvida, Ametista do Sul é uma cidade muito convidativa ao turismo.

Mesmo sendo uma cidade pequena, com características que remetem a interior, tem locais bem legais para visitação.

Então, anota aí 5 lugares para conhecer em Ametista do Sul:

Igreja Matriz – Paróquia São Gabriel

Primordialmente, devido a devoção da população no Arcanjo São Gabriel, foi criado um capitel.

Já em 1968, a cidade construiu um paróquia onde, após 2 anos recebeu o nome de São Gabriel para ser padroeiro da obra.

Porém, em 2008 foi inaugurada uma construção ainda maior com intuito de poder abrigar com mais comodidade a população.

Em tempo, o templo foi revestido de Pedras Ametistas, em torno de 40 toneladas de pedras que transparecem a beleza natural do local.

Nesse ínterim, a igreja que fica na rua Guaporé, número 86, tornou-se um grande atrativo turístico, recebendo visitantes do mundo inteiro.

Enfim, um grande motivo para conhecer e se encantar em Ametista do Sul.

Ametista Parque Museu

O Ametista Parque Museu é um complexo que abriga milhares de minerais que contam um pouco da história sobre exploração de pedras na cidade.

De antemão, possui um acervo com mais de 1500 exemplares de pedras raríssimas e valiosas.

Além disso, o local oferece atividades aos visitantes como, por exemplo, um passeio nas galerias subterrâneas para conhecer o processo de origem e extração das pedras preciosas.

Para quem quiser visitar o local, para dirigir-se até a rua Jorge Bassi, no bairro Aparecida.

Shopping das Pedras

O município dispõe ainda do famoso Shopping das Pedras

No local, é possível efetuar compras de pedras preciosas e jóias em mais de 20 estabelecimentos dispostos no interior do shopping.

Só para exemplificar, o visitantes encontra itens como:

  • pedra bruta,
  • produto acabado,
  • objetos de decoração,
  • montagem de jóias,
  • artesanato de pedras.

O Shopping das Pedras fica na Avenida Bento Gonçalves, número 123.

Belvedere Mina

Sem dúvida, o visitante que vai a Ametista do Sul não pode deixar a localidade sem visitar o Belvedere Mina.

Só pra ilustrar, o local impressiona os turistas com uma bela vista da região montanhosa de garimpo local.

Já Belvedere é um complexo que dispõe dos mais variados modelos de pedras preciosas.

Ainda no local, o turista tem a oportunidade de acompanhar o processo de extração das pedras Ametista, desde seu garimpo até sua industrialização.

O Belvedere Mina fica localizado na Estrada Planalto, número 600.

Vinícola Ametista

Ao percorrer a RS 591, aproximadamente no km 10 o visitante poderá conhecer a Vinícola Ametista.

Certamente, um local de muita exuberância disposta na maior jazida de pedras ametista do mundo.

De fato, a Vinícola impressiona quem por lá passa, pois trata-se da maior cave subterrânea de envelhecimento de vinhos existente.

Surpreendentemente, a Vinícola apresenta em um belo passeio sua exposição de pedras ágatas e ametistas, além de oferecer uma saborosa degustação de seus principais produtos.

5 motivos para conhecer a cidade de Ametista do Sul no RS

Certamento, a pequena Ametista do Sul possui ainda outros motivos para receber visitantes.

Mas com os cinco locais sugeridos neste post, já é possível montar um atrativo roteiro e partir ruma a Ametista do Sul.

Encante-se com a cidade de Encantado no RS

Encante-se com a cidade de Encantado no RS

A Rodosoft tem um convite especial para você: Encante-se com a cidade de Encantado no RS!

A saber, Encantado é uma cidade brasileira do estado do Rio Grande do Sul.

Já para quem nasce na localidade, leva o título de encantadense.

Localizada à margem direita do Rio Taquari, Encanto possui belezas naturais a serem apreciadas por visitantes.

Então, que tal conhecer um pouco mais e se encantar com o município de Encantado?

Encante-se pela história da cidade de Encantado no RS

Como surgiu a cidade de Encantado?

A princípio, não há muitas evidências sobre a data exata em que as terras onde atualmente localiza-se a cidade de Encantado.

Todavia, sabe-se que seus primeiros habitantes foram os índios Guaranis.

Posteriormente, a área começou a ser explorada por padres jesuítas, em meados do ano de 1635.

Inicialmente, as terras de Encantando pertenceram a capital Porto Alegre e após ao município de Triunfo em 1831.

Já no ano de 1849 o município de Taquari dominava as terras onde mais tarde pertenceriam a Encantado.

Todavia, houve um desmembramento de terras da grande Taquari, saindo assim a extensão de Encantado, bem como, de outros municípios.

Finalmente no ano de 1915, Encantado elevou-se a categoria de Município.

Origem do nome da Cidade

Conforme alguns historiadores, o nome da cidade teria sido mencionado nos primórdios por alguns índios ao navegar sob o Rio Taquari.

A princípio, os índios teriam avistado um vulto branco que teria deixado-os surpresos e ‘encantados’.

Todavia, o nome Encantado apareceu oficialmente pela primeira vez em um registro paroquial de Santo Amaro, no ano de 1856.

Mas também há evidências de que a denominação teria sido dada pelos primeiros imigrantes a habitaram a região, intitulando o local como “São Pedro de Encantado”.

Porém, com o passar do tempo o nome ‘Encantado’ predominou na região.

Localização de Encantado

A saber, a cidade de Encantado fica localizada na Encosta Inferior do Nordeste no Vale do Taquari.

Mas pertence também à Microrregião de Lajeado-Estrela.

De fato, Encantado possui uma extensão total de 142,77 km2, ficando distante de Porto Alegre cerca de 140 quilômetros.

Só para ilustrar o município possui limites com as seguintes cidades:

  • Arroio do Meio,
  • Capitão,
  • Doutor Ricardo,
  • Muçum,
  • Nova Bréscia,
  • Relvado,
  • Roca Sales.

Encante-se visitando a cidade de Encantado visitando no RS

Pórtico de Acesso ao Município

Sem dúvida, logo ao entrar na cidade de Encantado, o visitante já se encanta com o projeto do Pórtico de Acesso ao Município.

Certamente é um lindo lugar para o visitante fazer aquela parada especialmente para tirar uma foto.

A saber, o Pórtico fica localizado no início da Rua Padre Anchieta junto a RS 129.

Só para ilustrar, possui uma estrutura de 16 metros de largura e de seis a nove metros de altura instalados sobre a via.

A inauguração do Pórtico de Encantado ocorreu no ano de 2018 em comemoração aos 103 anos da cidade.

Museu Municipal –  Gino Ferri

A saber, o Museu Municipal de Encantado passou a ser chamado de Gino Ferri em 2019.

Tal fato se deu em homenagem ao historiador e escritor encantadense Genuíno Antônio Ferri.

O local é possível ter a acesso a fotos, documentos, vídeos e livros que narram a cultura da cidade e do Vale do Taquari.

Para chegar até o Museu é preciso acessar a Travessa Luís Ferri, número 1-103, no centro da cidade.

Igreja Matriz São Pedro

Ainda em Encantado, é possível visitar a igreja matriz da cidade, que possui como padroeiro o santo São Pedro.

Sem dúvida, a Igreja Matriz é vista como um belo cartão postal, digna de se tirar muitas fotos para tornar a visita inesquecível.

O templo fica localizado no centro da cidade, podendo ser acessado pela rua 7 Irmãos, número 611.

Lagoa Garibaldi

Definitivamente, o visitante não pode deixar de conhecer a Lagoa Garibaldi.

Sem dúvida,o local é um dos principais atrativos da cidade, possuindo uma linda vista a ser apreciada.

O local possui infraestrutura para lazer como churrasqueiras, banheiros, água e energia elétrica.

Todavia, não é permitido banho na lagoa, mas está liberada para prática de esportes náuticos.

A saber, a Lagoa Garibaldi fica localizada na Linha Garibaldi, a seis quilômetros do centro da cidade.

Encantado com a cidade de Encantado no RS?

Então, o roteiro está pronto para conhecer e se encantar pela bela cidade de Encantado.

Certamente será um belo e inesquecível passeio!!!