História da Revolução farroupilha, saiba mais.

Gírias e expressões gauchescas

scolher um belo destino, comprar a passagem e fazer as malas são algumas das melhores partes de uma viagem.
Mas para chegarmos ao nosso destino final, antes é preciso pegar a estrada e encarar algumas horas de viagem, e para ajudar a passar o tempo ou diminuir a ansiedade uma boa leitura é sempre recomendável. Nós já falamos aqui sobre alguns cuidados que são interessantes tomar ao escolher o livro para ler durante a viagem.
Então, hoje vamos trazer algumas dicas de livros que tem como cenário a revolução Farroupilha e parte da história do povo gaúcho.

A casa das sete mulheres
Livro da escritora gaúcha Leticia Wierzchowski, foi lançado em 2002 e conta a história da saga da família de Bento Gonçalves, na época do Brasil Imperial, no momento em que os homens partiram para a guerra dos farrapos e as mulheres permaneceram à espera de um desfecho, na estância da família. O livro ganhou uma adaptação para a tevê com uma série homônima.

Minuano
Livro do escritor Tabajara Ruas, mostra de uma forma singular a Revolução Farroupilha, contando como um cavalo criolo viu o conflito que se iniciou em 1835 e se estendeu por 10 longos anos.
Utilizando-se da mesma narrativa do filme Cavalo de Guerra (2011), em que o cavalo narra suas desventuras durante a I Guerra, o livro Minuano é leve e traz uma outra perspectiva a respeito da guerra dos farrapos.

Garibaldi e Manoela
Obra de Josué Guimarães o livro apresenta um texto delicado e preciso construindo uma história requintada, repleta de emoção que fascina o leitor, que acompanha o belo e triste romance entre Giuseppe Garibaldi e Manoela, sobrinha do general bento Gonçalves, ocorrido durante a revolução farroupilha.

O tempo e o vento
Leitura indispensável para quem quer conhecer uma pouco da história do Rio grande do sul, esta obra prima de Erico Verissimo é composta por três livros:
O continente: Esta primeira parte da trilogia narra o nascimento do Estado do Rio Grande do Sul através das famílias Terra, Caré, Cambará e Amaral.
O retrato: Rodrigo Terra Cambará decide voltar a sua terra-natal, Santa Fé, após ter ido estudar medicina em Porto Alegre. Nesse segundo romance da trilogia acompanha-se a decadência social de Santa Fé na passagem para o século 20 causada por interesses e jogos políticos.
O Arquipélago: O terceiro e último romance da trilogia “O tempo e o vento” narra a volta de Rodrigo Cambará à Santa Fé depois de passar muitos anos no Rio de Janeiro ao lado do então presidente Getúlio Vargas, seu amigo e aliado. Assim, o poder da família Terra Cambará, que era somente local, adquire em “O Arquipélago” um âmbito nacional. Após o fim do Estado Novo, Rodrigo está derrotado politicamente e doente. Rodrigo se vê na luta de não morrer na cama, uma vez que “Cambará macho não morre na cama”.

Escolha o seu próximo destino, compra sua passagem, pegue o livro que mais te fascinar e viagem pela história do Rio Grande do Sul.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *